Revelando as Táticas da Comida Junk: A Batalha do Bite Back

A campanha Morda de Volta expõe as táticas enganosas das principais corporações alimentícias que visam crianças com produtos não saudáveis. Ação regulatória urgente é necessária para abordar o impacto na saúde das crianças.

Revelando as Táticas da Comida Junk: A Batalha do Bite Back

Bite Back, um movimento alinhado com o ícone culinário Jamie Oliver, revela as estratégias manipuladoras empregadas pelas principais conglomerados alimentares para atrair crianças com ofertas pouco saudáveis através de embalagens atraentes.

O relatório, intitulado "Alimente-nos, não nos engane: Doce Decepção - As gigantes alimentares estão usando táticas atraentes para crianças de forma responsável?", foi apresentado ao Comitê de Alimentação, Dieta e Obesidade da Câmara dos Lordes do Reino Unido por ativistas jovens, marcando um diálogo parlamentar crucial sobre a dinâmica alimentar do país.

As descobertas, verificadas por especialistas em nutrição da Action on Salt, expõem a prevalência de alimentos pouco saudáveis disfarçados em embalagens amigáveis para crianças. Entre os 262 produtos pesquisados, impressionantes 78% foram sinalizados como pouco saudáveis devido aos seus níveis elevados de gordura, sal ou açúcar.

Além disso, 67% dos itens com personagens em suas embalagens foram considerados pouco saudáveis, sugerindo uma estratégia deliberada para atrair crianças com alimentos açucarados e gordurosos. Cores vibrantes, padrões lúdicos e fontes cativantes surgiram como táticas recorrentes, adotadas por 80% dos produtos analisados.

O relatório denuncia grandes culpados como Kinder Surprise, M&M's, Randoms e Monster Munch Giants - escondendo seus produtos por trás de embalagens coloridas e amigáveis para crianças, enquanto carregam aditivos pouco saudáveis.

A Mondelēz International, empresa-mãe da Cadbury e Oreo, emergiu como uma das principais infratoras, com todos os 58 produtos voltados para crianças sinalizados como pouco saudáveis. Da mesma forma, Ferrero, Mars, PepsiCo e Kellogg's enfrentaram escrutínio por comercializar vários itens pouco saudáveis para crianças.

Influenciando mentes jovens?

O relatório lança luz sobre as supostas estratégias de marketing enganosas usadas por essas empresas, aproveitando embalagens coloridas, formas lúdicas e personagens amados para atrair jovens consumidores. Tais táticas não apenas moldam as preferências das crianças, mas também contribuem para o aumento das taxas de obesidade infantil e doenças de saúde associadas.

O chef e co-fundador do Bite Back, Jamie Oliver, comenta: "Vemos essa estratégia sendo empregada nas prateleiras dos supermercados, nas nossas ruas e online, mais um método insidioso que as empresas usam para bombardear as crianças com junk food pouco saudável."

A investigação do Bite Back

O Bite Back examinou minuciosamente as embalagens de alimentos de grandes corporações globais no Reino Unido, revelando uma dependência predominante de elementos visualmente estimulantes, como cores vibrantes e padrões lúdicos, para atrair crianças. Essa abordagem foi evidente em 80% dos produtos pouco saudáveis pesquisados.

Além disso, uma proporção significativa desses produtos (59%) ostentava formas e sabores não convencionais, aumentando ainda mais seu apelo aos jovens consumidores.

O relatório destaca a necessidade de intervenção regulatória para combater o impacto "prejudicial" do marketing de junk food na saúde das crianças.

Tomando uma posição

O CEO do Bite Back, James Toop, insta a intervenção governamental para acabar com essas "táticas sinistras", alertando para uma crise de saúde iminente se medidas decisivas não forem tomadas.

"Os jovens exigem que as empresas eliminem recursos atraentes para crianças das embalagens de produtos pouco saudáveis. Da mesma forma, o governo deve introduzir novas regulamentações para conter essas táticas nefastas empregadas pelas gigantes de junk food, para que não caiamos em uma catástrofe de saúde evitável", afirma Toop.

Imperativos éticos

Sonia Pombo, líder da campanha da Action on Salt, condena a exploração de crianças por empresas que comercializam alimentos ricos em gordura, sal e açúcar. Ela destaca a obrigação moral das empresas de priorizar o bem-estar das crianças em vez dos lucros, instando a reforma voluntária ou a intervenção governamental para garantir a promoção de alternativas mais saudáveis.


Palavras-Chave

Comida lixo , Marketing infantil , Impacto na saúde , Intervenção regulatória , Embalagem de alimentos

Avaliar este artigo (5)

Partilhar este artigo

Comentar este artigo

Artigos relacionados

É um entusiasta do packaging?

Se deseja obter destaque na nossa publicação sem custos, compartilhe a sua história connosco, aguarde a revisão de nosso editor e tenha a sua mensagem divulgada globalmente.

Artigos em destaque

Quem Somos

crianças

embalagens

saudáveis

pouco

sustentabilidade

produtos

embalagem

táticas

artigo

saúde

crianças

embalagens

saudáveis

pouco

sustentabilidade

produtos

embalagem

táticas

artigo

saúde

crianças

embalagens

saudáveis

pouco

sustentabilidade

produtos

embalagem

táticas

artigo

saúde